LUTOS E PERDAS: contribuições no processo de evasão escolar

Percebe-se que ao longo dos anos, a escola vem se distanciando dos fatores emocionais e afetivos do aluno. Desconsiderando-o neste processo biopsicossocial.

O que não podemos culpabilizar a ela, mas atribuir mais as características do ensino e a cultura educacional como um todo.

Para o aluno o enfrentamento das questões, regras e sistematização da escola pode ser doloroso dependendo da forma que este foi preparado para seu aprendizado emocional.

Notas baixas podem ser um motivo forte para o início de uma insatisfação emocional e de bem-estar na escola.

Resumidamente, pode-se estabelecer que as perdas obtidas pelo aluno que não foi preparado para lidar com esta frustração poderão o levar a distanciar-se cada vez mais da escola, colocando-a como um lugar de sofrimento e adoecimento, perante ao sentimento de incapacidade, insuficiência, falta de gratificação, reconhecimento e afeto.

Em um caso específico, a perda de um avô de uma criança de 7 anos, o diagnóstico de diabetes, adicionados a falta de elaboração eficaz do luto do familiar por parte dos cuidadores, ocasionaram a evasão escolar do aluno ainda no segundo ano do ensino fundamental.

Assim, é notório que as escolas, em seus projetos político pedagógico, deveriam estabelecer metas para trabalhar questões de aprendizado emocional.

Ao tempo que ela coloca, por exemplo, a distribuição de pintinhos para as crianças sem condução alguma, poderia neste ato, colocar em prática as atividades de elaboração de perdas e valorização de vida.

Pondo o aluno a acompanhar melhor a criação, cuidado e relatar a experiência, compartilhar, vivenciar, visto que o objeto (pinto), terá possibilidades de perdas físicas e simbólicas.

São simples práticas que podem gerar um ganho maior de habilidades sociais do corpo discente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *