A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER DENTRO DAS RELAÇÕES AMOROSAS

Conheça mais sobre o que é o chamado ciclo da violência.

A Lei Maria da Penha (lei nº 11.340) reconhece cinco tipos de violência doméstica e familiar contra a mulher: física, psicológica, sexual, patrimonial e moral. Na íntegra:

Art. 7º São formas de violência doméstica e familiar contra a mulher, entre outras:

I – a violência física, entendida como qualquer conduta que ofenda sua integridade ou saúde corporal;

II – a violência psicológica, entendida como qualquer conduta que lhe cause dano emocional e diminuição da   autoestima ou que lhe prejudique e perturbe o pleno desenvolvimento ou que vise degradar ou controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante, perseguição contumaz, insulto, chantagem, violação de sua intimidade, ridicularização, exploração e limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que lhe cause prejuízo à saúde psicológica e à autodeterminação; (Redação dada pela Lei nº 13.772, de 2018)

III – a violência sexual, entendida como qualquer conduta que a constranja a presenciar, a manter ou a participar de relação sexual não desejada, mediante intimidação, ameaça, coação ou uso da força; que a induza a  comercializar ou a utilizar, de qualquer modo, a sua sexualidade, que a impeça de usar qualquer método     contraceptivo ou que a force ao matrimônio, à gravidez, ao aborto ou à prostituição, mediante coação, chantagem, suborno ou manipulação; ou que limite ou anule o exercício de seus direitos sexuais e reprodutivos;

IV – a violência patrimonial, entendida como qualquer conduta que configure retenção, subtração, destruição parcial ou total de seus objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens, valores e direitos ou recursos econômicos, incluindo os destinados a satisfazer suas necessidades;

V – a violência moral, entendida como qualquer conduta que configure calúnia, difamação ou injúria.

Os tipos de agressões citadas podem acontecer dentro de uma relação conjugal e se tornam mais perigosas ainda quando ocorrem em um ciclo de três fases que se repetem. Este é chamado como o ciclo da violência.

Fase de tensão: geralmente, é assim que se inicia o ciclo da violência. O parceiro começa a se irritar por coisas pequenas e isto vem acompanhado de humilhações, ameaças e condutas agressivas.

Fase de explosão: é nessa fase que ocorre algum(ns) tipo(s) de violência (física, psicológica, sexual, patrimonial e/ou moral). A fase de explosão acontece depois de sucessivas ocorridos da fase de tensão, que se prolongou.

Fase de “lua-de-mel”: depois que a violência ocorre, o agressor se mostra arrependido do que fez e tenta a reconciliação, promete que vai mudar e até muda mesmo. Depois de um tempo, a mudança não se sustenta e volta a ocorrer a fase de tensão, assim o ciclo começa novamente.

Como vítima deste ciclo, no começo a mulher tenta entender o que fez de errado e tenta evitar qualquer coisa para não provocar o parceiro, que geralmente a culpa por sua irritação e comportamentos agressivos.

Quando a violência fica mais intensa, a mulher pode sofrer, principalmente, um grande desgaste psicológico, um misto de sensações de medo, dor, vergonha, culpa e muitas outras.

Na terceira fase, com a mudança repentina do parceiro e as promessas de que os conflitos não vão acontecer de novo, a mulher acaba permanecendo no relacionamento, até que outros tipos de violência se concretizem novamente e se torna cada vez mais difícil sair do relacionamento.

A fase de “lua-de-mel” é marcante neste ciclo, pois a esperança de que o parceiro vai mudar acaba fazendo com que o ciclo não seja quebrado e as violências diárias se perpetuem.

Quando há violência, seja de qual tipo, muitas vezes é uma situação que paralisa e provoca medo de tentar achar uma saída. Mas esse ciclo tem que ser quebrado, não só pelo seu bem-estar físico, mas também psicológico.

A qualquer sinal de violência, de qualquer tipo, procure ajuda.

Ligue 180 ou busque a rede de defesa da sua região.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *