Nesses tempos de pandemia, liguei para um amigo em busca notícias. Ele respondeu que se encontrava trancado, a observar de sua varanda, os “velhinhos” entrando e saindo de seu prédio.

Ter associado, intrinsecamente, esse segmento, como o mais vulnerável ao coronavírus, nem por um momento, afastou os idosos das ruas.

Por quê? Simone de Beauvoir, nos idos dos anos 1970, em sua obra A Velhice, denunciava que ia quebrar a conspiração do silêncio, ao “dar voz” a essa população, invisibilizada socialmente.

Contudo, no século XXI, essa situação foi superada largamente.

Os idosos têm voz estridente, revelada mediante direitos conquistados, grupos de atividades e esportes, pacotes de viagens e a imagem é vinculada a características positivas na estrutura social.

Em pesquisas que fiz com mulheres cearenses, de classe média, em processo de envelhecimento, elas afirmaram, unanimemente, que o mais importante em suas vidas pós-60 anos, era a liberdade.

Em nome dela, não se abria mão de nada. Depois da saída dos filhos de casa, de casamentos desfeitos ou viuvez, as obrigações escassearam, restando-lhes, pela primeira vez em suas vidas, ser livres, fazendo suas próprias escolhas.

Os idosos usam os espaços públicos, frequentam as praças, dançam e experimentam ativamente a cidade.

Envelhecer hoje é ter visibilidade, independência e disposições que modificam o estilo de vida desses indivíduos, sobretudo se comparados há 50 anos.

Destaco, que o envelhecimento tem dimensões interseccionais a serem consideradas, como classe, gênero e raça-etnia.

Se envelhece, de acordo com os lugares sociais e culturais que cada um ocupa.

No Brasil, começam a nascer os primeiros cabelos brancos, com o crescimento populacional desse segmento, que se deve aos avanços científicos e tecnológicos, bem como um aumento da qualidade de vida dessas pessoas.

Todos esses aspectos revelam a dificuldade de mudança de hábito desse grupo, que contraria as ordens de filhos e autoridades, e continuam nas ruas, sentindo necessidade permanente de se manter ativo e circulando na cidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *